Um encontro real entre nós dois

Herminio Miranda*

De repente você se dá conta, como eu, de que acaba de ingressar no clube dos macróbios. No meu caso, 90 anos. E aí começa a perceber que o mundo não é mais aquele que você conheceu, especialmente não mais estão ali as pessoas que conheceu e amou. Quase todas desapareceram na invisibilidade. Bem sei que é uma ausência temporária, pois lá estão na dimensão espiritual à nossa espera para as emoções do reencontro. Mas que umas tantas delas deixam aberto em nós um espaço maior, isso também é verdade.

Para mim a ausência mais doída é a da querida dona Helena, minha mãe.
Talvez você se lembre que eu abri para ela um capítulo especial no livro Nossos filhos são espíritos.

Ela partiu para o outro lado da vida em 1960, aos 66 anos. Eu tinha 40.

Portanto, já se passaram cinquenta anos. Ao longo desse tempo, muita coisa aconteceu, claro. Cerca de trinta deles, participando de trabalhos mediúnicos. Duas vezes ela me enviou mensagens psicografadas e uma vez falei com ela através de médium de minha confiança. Ela me proporcionou evidências indiscutíveis, citando fatos dos quais só ela e eu sabíamos.

Recentemente – cerca de um ano ou dois – tive com ela um sonho do qual só me ficou na memória de vigília um episódio marcante. No sonho, ela veio ao meu encontro e ajoelhou-se a meus pés. Recuperado da impactante perplexidade que a cena me suscitou, ajoelhei-me também diante dela e trocamos um beijo saudoso, aqueles que somente ocorrem entre mãe e filho.

Bem, a historinha ainda não ficou aí concluída. Uma semana depois, recebi um e-mail de outra amiga, médium com a qual trabalhei num grupinho doméstico, do qual, entre outros queridos amigos e amigas, Deolindo Amorim sentava-se à minha esquerda e ela, à direita.

A amiga frequentava uma instituição espírita no Rio.

Dizia-me naquela carta inesperada que ao encerrarem-se os trabalhos mediúnicos da casa, aproximara-se dela uma entidade – que ela descreveu sumariamente, mas não da qual não guardara o nome. “Diga ao Herminio – pediu ela – que não foi somente um sonho. Houve um encontro real entre nós dois.”

A amiga médium, em conversa posterior comigo, ao telefone, acrescentou um detalhe que não mencionara no e-mail: o gesto dela se reportava à remota existência minha, aí pela Idade Média, quando eu lhe proporcionara a grande alegria, tornando-me sacerdote católico, sonho dela não realizado nesta vida.

Pois é, leitor/leitora.

Acho que não preciso falar de minha emoção ante esse recado.

Falo agora, porém, para encerrar esta narrativa, repetindo uma frase que usei certa vez e que assim diz:

“Se você perceber neste papel que está lendo, a marca de uma lágrima, não se preocupe. É minha.”

*Hermínio Corrêa de Miranda (Volta Redonda, 5 de janeiro de 1920). 
É um dos principais pesquisadores e escritores espíritas brasileiro da atualidade. Habitualmente assina Herminio C. Miranda. Formou-se em Ciências Contábeis, tendo trabalhado na Companhia Siderúrgica Nacional até se aposentar. Autor de cerca de 40 livros, dentre eles, diversos clássicos obrigatórios da biblioteca espírita, como Diálogo com as sombras, Diversidade dos carismas e Nossos filhos são espíritos.
Seu primeiro livro, Diálogo com as Sombras, foi publicado em 1976. Seus direitos autorais foram sempre cedidos a instituições filantrópicas

Fonte: correiofraterno.com.br

Um comentário em “Um encontro real entre nós dois

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s