Quem nasceu primeiro, o ovo ou o McChicken?

(Blog do Noblat – por Téa Barbosa)

Todo ano era assim: papai e mamãe no banco da frente e nós três no banco de trás. Destino? Exposição de animais! A única época do ano para se ter contato com bichos de verdade (além dos da TV e dos de pelúcia).
Animais com cheiro (a maioria ruim), barulho, pelos, movimentos (sem pilha). O Parque de Exposição do Cordeiro (Recife) recebia, todo ano, cavalos, bodes, vacas, galinhas. Sendo de família de classe média, não tínhamos fazenda, nem tio rico criador de bois, nem casa de campo. Então, essa coisa de capim e estrume, só na Exposição de Animais mesmo.
Apesar da lembrança cheia de recordações felizes da infância, eu odiava. Tinha medo dos bois, detestava o cheiro dos bodes, tinha pavor de pegar nas galinhas. Mas foi lá que aprendi que a carne do hambúrguer do McDonald’s não sai milagrosamente de uma máquina fazedora de sanduíches, e sim de uma vaca.
É, a educação às vezes pode ser bem traumática.
Por falar em trauma, a Exposição de Animais é responsável pelo maior trauma da vida do meu irmão caçula, Kaká. Porque foi de lá que veio Magaiver, o pinto!
Certo ano, cada um de nós ganhou um pinto. O meu morreu de fome (porque eu tinha medo de chegar perto, inclusive para alimentar). O da minha irmã morreu esmagado de tanto abraço e beijo (sim, é possível morrer de amor). Mas o de Kaká, não.
Magaiver, o único pinto sobrevivente, cresceu forte e bonito. Morava numa caixa de televisão na área de serviço.
Magaiver ignorava o fato de que vivia num apartamento em Boa Viagem e, sem se preocupar com vizinhos nem com a convenção do condomínio, cantava todo dia às 5 da manhã! Uma belezura.
Um dia, minha mãe decidiu que estava na hora de Magaiver virar almoço e, enquanto Kaká estava no Colégio, Magaiver foi para panela. Sem ter a exata noção de quantas horas de terapia isso iria custar no futuro, ela não avisou nada e o pobre do Kaká comeu e repetiu a galinha guisada.
Não culpemos Dona Bete!
– No passado não tinha esse pantim de trauma, diz ela. Isso é coisa de hoje em dia.
Deixemos os dilemas familiares de lado para anunciar a notícia que trouxe a tona a breve vida de Magaiver:
O Parque de Exposições do Cordeiro vai virar um Shopping!
Com lojas, ar condicionado e piso brilhante.
E agora? Como é que Kaká vai ensinar aos filhos dele que galo canta, e tem pena, e tem cheiro e…pode virar almoço?
Pelo jeito, vai ter que ir ao McDonald’s, pedir um McChicken e mostrar a foto de Magaiver!
E viva o progresso!
 
Téta Barbosa é jornalista, publicitária, mora no Recife e vive antenada com tudo o que se passa ali e fora dali. A partir de hoje escreverá aqui sempre às segundas-feiras sobre modismos, modernidades e curiosidades. Ela também tem um blog – Batida Salve Todos

Um comentário em “Quem nasceu primeiro, o ovo ou o McChicken?

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s