EUA prendem empresário envolvido no caso que derrubou Erenice

A polícia dos EUA prendeu na semana passada o empresário brasileiro Roberto Ribeiro, apontado como dono de contas bancárias que receberiam dinheiro arrecadado na intermediação de negócios com a União, no episódio que levou à demissão da ex-ministra Erenice Guerra (Casa Civil) em 2010.

Ribeiro, acusado de contrabando de cigarros e lavagem de dinheiro, é genro do ex-diretor dos Correios Marco Antônio Oliveira, que foi apontado como integrante do grupo que intermediava os negócios.

Ex-diretor dos Correios depõe por três horas na Polícia Federal

A Justiça determinou ainda o bloqueio de US$ 19 milhões (cerca de R$ 35 milhões) em contas e bens de Ribeiro e suas empresas. Ele é dono de uma importadora de cigarros e de uma das maiores locadoras de carros de luxo dos EUA, em Miami.

O nome de Ribeiro surgiu em depoimento do consultor Rubnei Quícoli, que tentava obter financiamento do BNDES para uma empresa.

Como a Folha revelou, a empresa Capital, dos filhos da então ministra Erenice, intermediava o negócio. Todos negam irregularidades.

Segundo os papéis em posse do consultor, a Capital pediu R$ 240 mil em seis parcelas mais 5% sobre o total a ser liberado pelo banco. A EDRB pretendia obter R$ 9 bilhões do BNDES.

Marco Antônio é tio de outro sócio da Capital, o advogado e ex-servidor da Casa Civil Vinícius Castro. A denúncia levou à queda da ministra no dia em que foi divulgada pela Folha.

Quícoli afirmou que Marco Antonio, um dos supostos negociadores do empréstimo, o orientou a depositar dinheiro em contas controladas por Ribeiro em Hong Kong.

Quícoli e Ribeiro confirmaram à Folha terem se reunido em um hotel em São Paulo para discutir negócios, mas o empresário nega que tenha discutido o pagamento de propina.

“Enviei as informações bancárias a pedido do sr. Quícoli, para o mesmo checar com seu banco a possibilidade de fazer negócios com uma ou outra”, escreveu Ribeiro à Folha na época. Quícoli recebeu das mãos de Ribeiro um cartão da Belcorp of America, registrada em nome dele na Flórida.

O suposto esquema de Ribeiro nos EUA, segundo o inquérito, efetuou centenas de transações que visavam dissimular a origem de dinheiro e bens. O dinheiro entrava numa das contas e saía no mesmo dia. Foram cinco anos de investigação, que contou com agente infiltrado nos negócios de Ribeiro e escutas telefônicas.

As investigações também identificaram indícios de uso de offshore para ocultar bens e negócios suspeitos com um brasileiro de Las Vegas. A casa de Ribeiro em Orange County foi invadida na operação.

A Folha tentou localizar advogados de Ribeiro hoje, sem sucesso. Também enviou e-mails a uma de suas empresas, mas não houve resposta. A reportagem não conseguiu localizar o sogro dele nem outros familiares.

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s