“Adeus Lula”

Baseado no artigo “Adeus Lula”, publicado pelo Jornal O Globo – Opinião, em 25/09/2012. – Entendo que o historiador e professor da USC-SP, Marco Antonnio Villa, em seu artigo avalia que a mania-de-presidente se evidencia no comportamento do ex-presidente Lula ao não querer largar o osso do poder no Brasil. É fato. A dura  interpretação da mania se torna mais forte na medida em que o ex-presidente encontra resistencia entre seus pares, em continuar a aceitar o mando de quem já não apita nada no governo. Ou pelo menos, não devia apitar. Mas há controvérsia.

Diante de uma visão mais apurada do que acontece realmente na governancia do país entre o paladino de São Bernardo-SP, e a pupila-presidente Dilma, encontramos indícios nos quais são incontestes a dupla gestão. Dilma – a submetida  – fica com a economia e o rumo da política exterior, enquanto Lula gerencia a política partidária e a gestão dos conchavos com os aliados.

Segundo o escriba,  ” a democracia é muito jovem. Ainda não sabemos o que fazer institucionalmente com um ex-presidente…”.  Mas qual a importancia de um ex-presidente que não se dá a preço, aliás, só sabe botar preço de compra e venda de favores, cargos e votos, além de ter vendido a alma para o diabo. Tadinho dele, o diabo… ? Deve estar remoendo com os botões sobre o mau negócio que empreendeu ao assinar – sem ler, o tratado de indústria e corrupção; lavagem e formação de quadrilha, com aval de Paulo Maluf na residencia deste, além de Collor e Sarney, com páginas rubricadas na vice-presidencia e na presidencia.  

A cada reunião no planalto com Dilma, Lula sai pelo mundo divulgando o teor do que ficou determinado na reunião. Cheira a imposição sem direito a voto. Mas qual o “deus” que não se impõe? Com o Lula não poderia ser diferente. A ministra do “relaxa e goza” tem culpa nessa crença. Foi ela quem catequizou  e canonizou o desavisado ex-presidente à revelia dos céus, taxando-o de “deus”. Sabemos que os deuses já existem. Todos. E não há espaço tampouco trono pra mais nenhum, muito menos de um oriundo da religião criada e professada por uma corja desonesta cujo símbolo maior é  o encarnado da Martha Suplicy. Pudera. Martha Suplicy ganhou mais um ministério…

Não mais pertine as andanças de Lula pelo Brasil político-partidário cuja retórica perdida nos tempos do mensalão, sem consistencia e sem nexo, portanto.  Nem a egocentria de sua imagem colada aos candidatos a prefeitos e vereadores como chamariz de votos para o PT e partidos conluiados, funciona mais.

No Recife, por exemplo, o candidato imposto para a prefeitura da capital pernambucana pela executiva nacional petista, Humberto Costa, despencou nas pesquisas de votos, de 40%  para 16% das intenções de votos. Comprova a tese do doutor Marco Antonio Villa, sobre o desgaste de Lula,  ” …  desde que a imagem do apedeuta ainda não percebeu que a presença constante no cotidiano político está, rapidamente, desgastando o seu capital político. Até seus aliados já estão cansados. Deve ser duro ter de achar graça das mesmas metáforas, das piadas chulas, dos exemplos grotescos, da fala desconexa. A cada dia o seu auditório é menor. Os comícios de São Paulo, Salvador, São Bernardo e Santo André, somados, não reuniram mais que 6 mil pessoas. Foram demonstrações inequívocas de que ele não mais arrebata multidões. E, em especial, o comício de Salvador é bem ilustrativo. Foram arrebanhadas — como gado — algumas centenas de espectadores para demonstrar apoio. Ninguém estava interessado em ouvi-lo. A indiferença era evidente. Os “militantes” estavam com fome, queriam comer o lanche que ganharam e receber os 25 reais de remuneração para assistir o ato — uma espécie de bolsa-comício, mais uma criação do PT. Foi patético.”

Disse mais: “O ex-presidente deveria parar de usar a coação para impor a sua vontade. É feio. Não faça isso. Veja que não pegou bem coagir:

1. Cinco partidos para assinar uma nota defendendo-o das acusações de Marcos Valério;

2. A presidente para que fizesse uma nota oficial somente para defendê-lo de um simples artigo de jornal;

3. Ministros do STF antes do início do julgamento do mensalão. Só porque os nomeou? O senhor não sabe que quem os nomeou não foi o senhor, mas o presidente da República? O senhor já leu a Constituição?”

Não bastasse as impropriedades, se apresenta para o respeitável público-palhaço-eleitor em  flagrante desrespeito a ética. Tem uma dinâmica em mudar de pele que os grandes atores de teatro invejam. Ora é uma personalidade, ora é outra. A real é desconhecida. Dele mesmo, inclusive.  Não enxerga além do nariz de Pinocchio. Toca trombetas se arvorando arauto das boas novas. Traveste-se de evangelista. Não cresce além de Peterpan:

 “O ex-presidente não quer admitir que seu tempo já passou. Não reconhece que, como tudo na vida, o encanto acabou. O cansaço é geral. O que ele fala, não mais se realiza. Perdeu os poderes que acreditava serem mágicos e não produto de uma sociedade despolitizada, invertebrada e de um fugaz crescimento econômico. Claro que, para uma pessoa como Lula, com um ego inflado durante décadas por pretensos intelectuais, que o transformaram no primeiro em tudo (primeiro autêntico líder operário, líder do primeiro partido de trabalhadores etc, etc), não deve ser nada fácil cair na real. Mas, como diria um velho locutor esportivo, “não adianta chorar”. Agora suas palavras são recebidas com desdém e um sorriso irônico.”

Volta pra casa Lula, vai descansar. Vai tomar uma 51 com tira-gosto, como sempre foi de seu feitio. De um bêbado não se espera muita coisa, mas de um ex-presidente, sim!

Marco Antonio Villa é historiador e professor da USC-SP – Artigo completo

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s