Dilma informa: só pode exercer a Presidência da República gente nascida e criada em todos os estados brasileiros

( Veja.com.br – Augusto Nunes )

“Queria também comprimentá o presidente da CUT do Rio Grande do Sul, José Rodrigues Sobrinho”, tropeça Dilma Rousseff na abertura do vídeo de 53 segundos que registra um dos momentos mais delirantes da discurseira em Natal. Murmúrios na plateia avisam que a oradora errou de novo o nome do lugar em que está. “Da CUT do Rio Grande do Norte”, corrige. Em seguida, pisa no acelerador e vai atropelando furiosamente a lógica, a sensatez e a língua portuguesa:

“Agora, gente, vocês me desculpem, mas é que eu fui batizada recente, o batismo é recente. Lá também eu fui batizada, porque eu sou mineira de nascimento e vivi até uns 20 anos em Minas Gerais. Mas agora que me batizaram, eu estou muito feliz de ser potiguar. Sou gaúcha, potiguar, amazonense. São os três estados que eu recebi a naturalidade, que é a naturalidade no fim, ao cabo, de ser brasileira. Uma presidenta tem de ser nascida e criada em todos os estados da Federação”.

Desde Jânio Quadros, o gabinete localizado no terceiro andar do Palácio do Planalto já abrigou napoleões de hospício, generais de exército da salvação, perfeitas cavalgaduras, messias de gafieira, gatunos patológicos, um ex-operário que nunca leu um livro nem sabe escrever e uma mulher que não diz coisa com coisa. Todos chegaram lá por atenderem às seis pré-condições impostas pela Constituição: ser brasileiro nato, ter a idade mínima de 35 anos, ter o pleno exercício de seus direitos políticos, ser eleitor e ter domicílio eleitoral no Brasil, ser filiado a uma agremiação ou partido político e não ter substituído o atual presidente nos seis meses antes da data marcada para a eleição.

A última frase do vídeo acrescentou ao texto constitucional uma sétima (e complicadíssima) exigência: só pode exercer a Presidência da República gente nascida e criada nos 26 estados brasileiros. Pela tranquilidade com que tratou do tema, Dilma preencheu também esse pré-requisito. É possível que o velho Rousseff, originário da Bulgária, tivesse um lado cigano que o animou a morar durante algumas semanas em todos os pedaços do país, do Oiapoque ao Chuí, das margens do Atlântico às lonjuras do oeste. Mas como nascer em lugares diferentes?

A menos que tenha atravessado a infância colecionando reencarnações, o falatório só serviu para reforçar a suspeita de que já não é preciso ter cérebro para ser presidente.

Tags: Dilma Rousseff, presidente, requisitos, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s